São nove horas. Segunda feira e uma entrevista para mim deixar meu curriculum em mais uma empresa a espera de mais uma chance. Acordei atrasada de novo! Quem mandou a idiota aqui ficar até duas da manhã vendo uma maratona de filmes melodramáticos pensando em como seria bom protagonizar uma dessas atrizes com caras apaixonados em minha vida. Eu pensei até como seria se nós fossemos como aquelas pessoas do filme. É eu sei, eu sou mesmo uma boba. Levantei as 07 horas, isto é, atrasadissima! Vestido estilo "Menininha", meia calça preta e um sapato qualquer. Olha só, agora que estou parada nesse elevador fornal, posso ver que estou com alpargatas pretas camurça. Calma ai... Isso é preto mesmo? Ai que droga, era pra ter colocado minha bota sem saltos de fivelas. Combinaria perfeitamente com o vestido rosa bebê. Minha maquiagem tá derretendo que estou percebendo meu buço suando. Posso até contar quantas gotas de suor está em meu rosto derretido. Meu Deus, quem é esse gato a minha esquerda? Ele não está suando em baixo desse terno? Ai meu Deus, que gato! Me faz até pensar em você no futuro. Olhos claros, cabelos bem penteados... Não não, esquece, você não ficaria você nesse terno! E essa mulher? Jesus, ela é a Diabo veste Prada com bolsa Channel! Há mas porque estou reparando nisto? Há seis pessoas no elevador, e eu de longe sou a mais informal. Mas que ideia usar vestido em uma entrevista de emprego. Nove e seis... Finalmente o barulhinho do elevador! Meu andar. Me imagino em nessa empresa... Roupas sociais, pessoas sérias e com cabelos lisos de chapinha. Tudo preto e cinza... Calma ae, porque as paredes são todas brancas? Porque não um pouquinho mais de cor? Não há barulho nem um além de sapatos batendo contra esse piso brilhando no chão. Expressões faciais? Apenas eu com um sorriso bobo, insistindo em cumprimentar as pessoas, que por sinal, são bem mal educadas. Porque são tão fechadas? Estão reparando no meu vestido. "NÃO É DE MARCA NÃO!" Pensei em dizer, mas deixa pra lá. Nove e dez, onde será que você está agora? Provavelmente, dormindo. Como eu queria dormir com você mais uma vez. Sorrir inesperadamente para o nada. Há uma porta a minha frente, uma imensa porta cinza. Descansei minhas pernas em uma cadeira perto da mesma porta com três pessoas ao meu lado e fiquei pensando em porque eu queria este emprego. A conta do cartão estava chegando, a prestação dos meus móveis novos do quarto já estavam atrasadas. É errado pensar que não é importante ter nome limpo nas lojas já que não tenho mais nada pra comprar? Bom, acho que é né? Droga, como queria ir até aquele salão de Moema e aceitar aquele emprego de maquiadora. Poderia até morar por lá. Porque não aceitei mesmo? Há, lembrei, todos disseram que meu futuro ia ser melhor em uma empresa nada colorida. Porque mesmo? Há porque maquiagem é um hobbie, e porque transformar hobbies em profissão? 
__SR Sophie Rubbiel?
Ela já está me chamando. Comecei a caminhar, mas aí a questão... Eu quero mesmo esse emprego? Há pessoas que o querem mais que eu, com certeza. Parei no meio do caminho. Não, eu não quero isso.
__Acho que deveria ser mais simpática.__ Disse para a moça que me chamava com uma agenda nas mãos.

                                                                                                                    F' Gomes. 

4 Comentários

  1. Me senti exatamente assim quando fui a minha primeira entrevista. #Odiei é claro, mas superei kkk Adorei o post. Beijos.
    Srta Veneno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk qe bom qe superou e que curtiu o postn. Beijos.
      Volta cempre!

      Excluir

Me Diga o Que Achou do Post!